Crie seus próprios eBooks e Pastas

Selecione capítulos de diferentes livros e organize-os em sua própria pasta, de forma simples e rápida. Você pode ainda personalizar a capa e disponibilizar o conteúdo em nossa loja para seus alunos ou colegas.

Educação
Pesquisa
Lazer

Capítulos Selecione um ou vários capítulos para montar sua Pasta

Medium 9788547208127

Capítulo sete - A interpretação jurídica e o pensamento tópico

SOARES, Ricardo Maurício Freire Saraiva - jur PDF

C a p í t u l o

s e t e

A interpretação jurídica e o pensamento tópico

U

ma das mais destacadas expressões do pensamento jurídico pós-moderno é a tópica, cuja contribuição se revela indispensável para o entendimento da Hermenêutica jurídica contemporânea.

A tópica pode ser entendida como uma técnica de pensar por

­problemas, desenvolvida pela retórica. Ela se distingue nas menores particularidades de outra de tipo sistemático-dedutivo. As tentativas da era moderna de desligá-la da jurisprudência, através da sistematização dedutiva de uma ciência jurídica, tiveram um êxito muito restrito, visto que a tópica vem sendo encontrada ao longo de toda a tradição ocidental, desde a Antiguidade greco-latina. Se Aristóteles entendeu a tópica como uma teoria da dialética, entendida como a arte da discussão,

Cícero a concebeu como uma práxis da argumentação, baseada no uso flexível de catálogos de topoi (lugares-comuns).

Como bem salienta Theodor Viehweg (1979, p. 19), o ponto mais importante do exame da tópica constitui a afirmação de que ela se trata de uma techne do pensamento que se orienta para o problema. Esta distinção, já cunhada por Aristóteles em sua Ética a Nicômaco, entre techne e episteme implica considerar a primeira como o hábito de produzir por reflexão razoável, enquanto a segunda seria o hábito de demonstrar a partir das causas necessárias e últimas, e, portanto, uma ciência.

Ver todos os capítulos
Medium 9788502143180

3.2. A vida humana

Magalhães, Leslei Lester dos Anjos Editora Saraiva PDF

3.2. A vida humana

É necessário, antes de tudo, estabelecer quando se dá o início da vida e o seu término para delimitarmos o aspecto temporal da vida humana.

A vida se caracteriza por cinco elementos: a automoção, a unidade, a imanência, a autorrealização e os ritmos cíclicos, que podem ser facilmente verificados pela experiência2: a) automoção – todo ser vivente possui em si mesmo o princípio de seu movimento, não necessita de uma força externa que o impulsione; b) unidade – todos os seres viventes são unos, ou seja, não vivem em partes estanques, somente o todo orgânico basilar pode existir; c) imanência – na ordem de nossas considerações é o mais importante elemento.A palavra imanência procede do latim, significando permanecer dentro, ficar dentro. As ações imanentes são aquelas cujos efeitos ficam dentro do sujeito, por exemplo, comer, dormir, pensar; d) autorrealização – o ser vivo tende a um desenvolvimento, a tornar efetivas as suas potencialidades.Viver é de certo modo crescer, tanto física quanto, para o homem, intelectual e moralmente. Tende a uma perfeição, a um fim, à plenitude de suas capacidades. A ética quer responder exatamente como o homem se pode chegar a essa excelência, a essa perfeição, que para o homem tem cunho moral. Alcançar a plenitude para o ser humano é galgar a encosta das virtudes, ser um homem virtuoso, buscando o bem e a verdade; e) ritmo cíclico – a vida possui um ritmo cíclico. Todos os seres viventes são marcados pela caducidade: nascem, crescem, reproduzem-se e morrem.Todos têm uma existência individual limitada no tempo e no espaço. No homem, a limitação espaço-temporal coexiste com a

Ver todos os capítulos
Medium 9788521620259

7 - Alguns Estudos de Casos

WATTON, John LTC PDF

 7

Alguns Estudos de Casos

7.1 Introdução

Estes estudos representam uma variedade de soluções matemáticas e de simulações para uma faixa de sistemas e componentes, e também inclui grande quantidade de testes experimentais com algumas técnicas de medições originais e limitações práticas. Com isso, pretende-se trazer juntos os vários aspectos da teoria dos sistemas fluidomecânicos introduzida nos capítulos anteriores, mas agora de uma forma mais compreensiva, que é normalmente necessária para estudos de sistemas mais complexos envolvendo a integração dos componentes e os conceitos de controle.

7.2 Desempenho de uma Bomba Axial de Pistão com Sapatas Inclinadas com Ranhuras

7.2.1 Introdução

Este estudo foi realizado por Bergada, Haynes e Watton, com trabalho experimental no Laboratório de Sistemas Fluidomecânicos do autor deste livro, na Universidade de Cardiff, como parte de um estudo compreensivo sobre perdas no interior de uma bomba de pistão axial. O estudo tem como foco principal um novo método analítico baseado na equação de lubrificação de Reynolds, com validação experimental para avaliar as fugas e a distribuição de pressão para uma sapata de bomba de pistão axial, levando em consideração o efeito das ranhuras.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536314471

7. Bacilos gram-positivos (Bacillus spp.)

Höfling, José Francisco Grupo A - Artmed PDF

Capítulo 7

Bacilos gram-positivos

(Bacillus spp.) objetivos

Observar esfregaços corados por Gram.

Conhecer a morfologia e o arranjo celular de bacilos gram-positivos (Bacillus spp.).

Os bacilos gram-positivos são encontrados largamente na natureza, habitando o solo, a água, a pele e as mucosas de vários animais, inclusive do homem. A virulência desses microrganismos varia muito entre as espécies. Neste grupo incluem-se desde

Bacillus anthracis (agente do carbúnculo hemático) e Corynebacterium diphteriae (agente da difteria) até

Lactobacillus acidophillus (não-patogênico).

BACILLUS SPP.

Pertencem à família Bacillaceae e ao gênero

Bacillus. São bacilos gram-positivos, móveis ou imóveis, formadores de esporos resistentes a condições ambientais adversas, tais como calor e baixos níveis de umidade. São aeróbios ou anaeróbios facultativos, e a maioria das espécies encontradas em laboratório é saprófita.

PRINCIPAIS ESPÉCIES

Bacillus anthracis

É o agente do carbúnculo hemático, uma zoonose transmissível aos humanos, que geralmente ocorre em animais (gado, ovelhas, cabras, camelos e outros herbívoros). Ganhou grande importância clínica

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308191

Apêndice E - Equações para motores multicilíndricos sub ou sobre balanceados

Norton, Robert Grupo A - AMGH PDF

E

Apêndice

EQUAÇÕEs pARA MoToREs

MULTICILíNDRICos sUB oU soBREBALANCEADos

E.1

INTRoDUÇÃo

O Capítulo 14 desenvolveu as equações para forças, momentos e torques vibratórios em motores multicilíndricos de configurações em linha ou em V. No Capítulo 14, é considerado que os moentes de manivela estão todas exatamente balanceadas, uma hipótese que simplifica bastante as equações. Entretanto, alguns motores multicilíndricos sobrebalanceiam os moentes de manivela para reduzir as forças principais dos mancais. Isso também pode ter um efeito nas forças e nos momentos vibratórios.

Este apêndice fornece equações em substituição às versões simplificadas no Capítulo 14, e essas equações não supõem moentes de manivela exatamente balanceadas.* Os números das equações utilizados aqui correspondem àqueles no Capítulo 14 e podem ser substituídos pelos simplificados se desejado. Nas equações que seguem, mA é a massa equivalente do pino da manivela e mB a massa equivalente do pino do pistão, como definido no Capítulo 13. Os parâmetros mc e rc representam, respectivamente, a massa do contrapeso de qualquer moente da

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos