Atlas colorido de dermatologia estética

Autor(es): Avram, Marc R.
Visualizações: 291
Clasificação: (0)

 

12 capítulos

Formato Comprar item avulso Adicionar à Pasta

SECÃO UM: FOTOENVELHECIMENTO

PDF

2

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 1

Análise da face em envelhecimento

A face constitui a característica fundamental da beleza humana. Embora vários fatores influenciem a beleza facial, o processo de envelhecimento é a motivação mais comum que induz à intervenção cirúrgica. O envelhecimento é um processo dinâmico e contínuo. Fatores hereditários e ambientais (p. ex., sol, vento, movimento) são os principais determinantes do envelhecimento. Além disso, o hábito de fumar pode acelerar tal processo. À medida que uma pessoa envelhece, podem ser observadas alterações em todos os compartimentos anatômicos faciais, inclusive na pele, na gordura subcutânea, nos músculos e na estrutura óssea.

Uma abordagem sistemática na análise da face em envelhecimento permitirá a seleção de terapias apropriadas, seguras e eficazes.

CONSIDERAÇÕES ANATÔMICAS

O rejuvenescimento bem-sucedido da face requer uma compreensão minuciosa das alterações de contorno relacionadas com a idade (envelhecimento de partes moles subjacentes) e das modificações da textura (envelhecimento da pele) (Quadros 1.1 e 1.2). A face jovem pode ser dividida em três zonas: superior, média e inferior, assim como a parte superior do pescoço.

 

SECÃO DOIS: DISTÚRBIOS DAS GLÂNDULAS SEBÁCEAS

PDF

62

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 10 Acne vulgar

A acne vulgar é uma doença inflamatória crônica da unidade pilossebácea. As lesões de acne acometem preferencialmente a face, o pescoço, a parte superior das costas, o tórax, e a parte superior dos braços. Existem múltiplas variáveis clínicas, e elas incluem a acne comedônica, acne papulopustulosa, acne nodulocística, acne conglobada e a acne fulminante.

EPIDEMIOLOGIA

Incidência e idade: é predominantemente um distúrbio da adolescência. Afeta 85% dos indivíduos entre 12 e 24 anos de idade. Pode afetar todas as faixas etárias.

Raça: incidência mais baixa em afro-descendentes e asiáticos.

Sexo: formas de maior gravidade no sexo masculino.

Fatores precipitantes: predisposição genética, distúrbios endócrinos, estresse, fatores mecânicos (fricção, pressão, oclusão), contato com materiais causadores de acne (óleos, hidrocarbonetos clorados, cosméticos), drogas (esteróides, lítio, andrógenos, hidantoína).

PATOGENIA

Muitos pacientes com acne nodulocística têm um parente em primeiro grau com uma história de acne grave. A fisiopatologia primária envolve ceratinização folicular, que resulta na obstrução dos folículos sebáceos, produção aumentada de sebo, proliferação excessiva de Propionibacterium acnes e aumento da produção de fatores quimiotáticos que resulta em inflamação.

 

SECÃO TRÊS: DISTÚRBIOS DAS GLÂNDULASÉCRINAS

PDF

76

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 13 Hiperidrose

A hiperidrose é a secreção de quantidades excessivas de suor pelas glândulas sudoríparas écrinas em repouso e à temperatura ambiente normal. Ela produz desconforto, tanto físico como social. As áreas mais comumente afetadas são as axilas, as palmas das mãos e as plantas dos pés. Ela pode se apresentar de modo bilateral ou simétrico. A causa mais comum de hiperidrose é idiopática.

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: não há bons estudos epidemiológicos de prevalência.

Idade: palmoplantar: nascimento; axilar: puberdade.

Raça: não há predileção racial.

Sexo: equivalência.

Fatores precipitantes: idiopática, emocional, lesão/doença do sistema nervoso central, fármacos e lesão cirúrgica são as causas mais comuns. Na maioria dos casos, há uma história familiar.

Fig. 13.1 Um exemplo do teste de iodo-amido na axila esquerda. Observar a coloração de azul-escuro a negra proeminente nos locais de hiperidrose.

PATOGENIA

As glândulas écrinas são inervadas principalmente por fibras simpáticas que são antes colinérgicas do que adrenérgicas em sua resposta neural.

 

SECÃO QUATRO: DISTÚRBIOS DOS FOLÍCULOSPILOSOS

PDF

82

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 14 Padrão masculino de perda de cabelos

O padrão masculino de perda de cabelos, também conhecido como alopecia androgenética, apresenta-se depois da puberdade, com perda bilateral dos cabelos da região temporal, progredindo para o vértex, para as regiões frontal e temporal. Em geral, o cabelo das regiões parietais e occipital não é afetado. Trata-se de uma forma de alopecia sem formação de cicatrizes que ocorre em indivíduos do sexo masculino, geneticamente suscetíveis. Ela representa um processo fisiológico normal e é a forma mais comum de alopecia. Ainda assim, muitos homens buscam tratamento para a alopecia androgenética por causa do descontentamento com sua aparência estética e da associação com o envelhecimento.

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: 30% dos homens com mais de 30 anos, mais de 50% dos homens com mais de 50 anos.

Idade: começa depois da puberdade.

Fatores precipitantes: predisposição herdada poligênica.

Não existem testes diagnósticos para determinar a etiologia e a progressão natural.

 

SECÃO CINCO: DISTÚRBIOS DA PIGMENTAÇÃO

PDF

122

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 18 Mancha café-com-leite

As manchas café-com-leite (MCCL) são máculas benignas castanho-claras bem-demarcadas, que geralmente aparecem nos primeiros anos da infância. Em geral, a pigmentação é homogênea. As lesões podem ser múltiplas ou isoladas e aumentam de tamanho proporcionalmente ao crescimento da criança. Essas máculas são encontradas em cerca de 20% da população e, em casos raros, podem estar associadas a várias genodermatoses.

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: 10 a 20% da população

Idade: do nascimento à primeira infância

Raça: mais comuns nos afro-americanos do que nos caucasóides

Sexo: não há predomínio

Fatores desencadeantes: na maioria dos casos, essas lesões são achados benignos isolados em crianças saudáveis. As

MCCL múltiplas podem estar associadas a genodermatoses como a neurofibromatose, a esclerose tuberosa, a síndrome de Bloom, síndrome de McCune-Albright, síndrome de Russell-Silver, síndrome de Watson e a síndrome de

Westerhof

A

PATOGENIA

 

SECÃO SEIS: ALTERAÇÕES VASCULARES

PDF

150

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 25 Angioceratoma

Os angioceratomas são telangiectasias com elementos ceratóticos que se encontram em várias condições clínicas, inclusive (a) angioceratomas únicos ou múltiplos, localizados predominantemente nos membros inferiores; (b) angioceratoma de Fordyce; localizado no escroto e na vulva; (c) angioceratoma de Mibelli, distúrbio autossômico dominante que acomete o dorso das mãos e dos pés, os cotovelos e os joelhos; e (d) angioceratoma corporal difuso associado

à doença de Fabry, distúrbio recessivo ligado ao X que se caracteriza por deficiência de α-galactosidase A e acomete o abdome inferior, as nádegas e a genitália; e (e) angioceratoma circunscrito, com lesões geralmente agrupadas em um membro.

EPIDEMIOLOGIA

Idade: os angioceratomas solitários ou múltiplos geralmente acometem adultos jovens; os angioceratomas de Fordyce ocorrem nos indivíduos de meia-idade e idosos. O angioceratoma de Mibelli e o angioceratoma circunscrito geralmente são diagnosticados na infância.

 

SECÃO SETE: PROLIFERAÇÕES BENIGNAS

PDF

186

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 36 Angiofibroma

Angiofibroma é um termo descritivo utilizado para diferentes lesões com a mesma histopatologia, que inclui pápulas fibrosas, pápulas penianas peroladas, adenoma sebáceo, fibromas periungueais e tumor de Koenen. Este capítulo descreve apenas o angiofibroma facial. Em geral, o angiofibroma evidencia-se por uma pápula cupuliforme da cor da pele ou eritematosa com 1 a 5 mm de diâmetro. Quando ocorrem várias lesões na face, o angiofibroma pode estar associado à esclerose tuberosa ou à neoplasia endócrina múltipla tipo 1 (NEM 1).

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: comum

Idade: dependendo da etiologia, pode ocorrer nas crianças ou nos adultos

Raça: não há predileção

Sexo: distribuição igual

Fatores desencadeantes: esclerose tuberosa, NEM 1

PATOGENIA

A

Desconhecida.

PATOLOGIA

Pápula simétrica bem-delimitada com epiderme normal.

A derme papilar e reticular mostra graus variáveis de proliferação de vasos sanguíneos normais dentro do estroma fibrótico. As fibras colágenas estão dispostas perpendicularmente à epiderme e concentricamente ao redor dos vasos e dos folículos pilosos. Também podem ser encontrados fibroblastos estelares.

 

SECÃO OITO: CARCINOMAS CUTÂNEOS

PDF

218

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 46 Carcinoma basocelular

O carcinoma basocelular (CBC) é um tumor cutâneo maligno, de crescimento lento, que se evidencia por subtipos histológicos diferentes como o nodular, superficial, micronodular, infiltrativo e esclerodermiforme (semelhante

à morféia). O CBC nodular é o tipo mais comum e é encontrado principalmente nas regiões da cabeça e do pescoço.

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: o câncer de pele mais comum entre os caucasóides, com cerca de 800.000 casos/ano diagnosticados nos EUA

Idade: mais comum em pacientes com mais de 40 anos

Raça: mais comum nos caucasóides

Sexo: incidência mais alta no sexo masculino

Fatores desencadeantes: exposição crônica à radiação ultravioleta e pele clara são os fatores predisponentes mais significativos. Os outros fatores incluem exposições à radiação ionizante e ao arsênio, imunossupressão, tratamento com

PUVA e predisposição genética

A

PATOGENIA

O gene mais comumente alterado no CBC é o gene supressor tumoral PTCH, com uma alteração resultante da via de sinalização Hedgehog e a desregulação da proliferação e diferenciação celulares. Mutações do gene supressor tumoral p53 também são freqüentemente detectadas e acarretam a imortalidade celular com resistência à apoptose.

 

SECÃO NOVE: DISTÚRBIOS INFLAMATÓRIOS

PDF

226

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 48 Líquen plano

O líquen plano (LP) é uma doença inflamatória comum da pele e das mucosas (Figs. 48.1 e 48.2). Existem algumas variantes clínicas, inclusive LP ulcerado, bolhoso, anular, linear, planopilar hipertrófico.

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: cerca de 0,5%

Idade: 30 a 60 anos

Raça: todas as raças são igualmente afetadas pela maioria das variantes

Sexo: incidência mais alta nas mulheres

Fatores desencadeantes: idiopático na maioria dos casos; alguns fármacos podem provocar uma erupção semelhante ao LP

PATOGENIA

Basicamente, é uma reação celular mediada pelos linfócitos T.

EXAME FÍSICO

Na maioria dos casos, as lesões primárias consistem em várias pápulas e placas agrupadas poligonais, violáceas e achatadas, que geralmente são pruriginosas. A superfície é brilhante ou transparente e pode apresentar pontos minúsculos cinza-esbranquiçados ou linhas brancas finas reticulares conhecidas como estrias de Wickham. As lesões acometem preferencialmente a orofaringe, as superfícies flexoras dos punhos, os dorsos das mãos, as superfícies mediais das coxas, as regiões pré-tibiais, o tronco e a genitália. É comum encontrar hiperpigmentação pós-inflamatória.

 

SECÃO DEZ: DISTÚRBIOS DO TECIDO ADIPOSO

PDF

236

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 51 Ginecomastia

A ginecomastia caracteriza-se por quantidades aumentadas de tecidos glandulares benignos sob a forma de massa firme ao redor dos mamilos de homens. Esse distúrbio está associado ao aumento da deposição de gordura. Por outro lado, o aumento isolado da acumulação de gordura sem proliferação glandular é conhecido como pseudoginecomastia. A ginecomastia pode ser unilateral ou bilateral e é encontrada comumente ao nascimento, na puberdade e em adultos de meia-idade e idosos. Muitos casos são idiopáticos. Existem vários fatores desencadeantes, inclusive anormalidades hormonais, uso de fármacos, cirrose, hipogonadismo, tumores testiculares, hipertireoidismo e insuficiência renal crônica.

Por esta razão, no contexto clínico apropriado, o desenvolvimento de ginecomastia deve ser investigado clinicamente.

A

EPIDEMIOLOGIA

Incidência: mais comum nos recém-nascidos, mas também

é freqüente na puberdade e em homens idosos

Idade: período pós-natal imediato (0 a 3 semanas), puberdade (10 a 17 anos), homens de meia-idade e idosos (50 a

 

SECÃO ONZE: DISTÚRBIOS DA CICATRIZAÇÃODAS FERIDAS

PDF

256

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 56 Cicatrizes hipertróficas, quelóides e cicatrizes da acne

INTRODUÇÃO

As cicatrizes hipertróficas e os quelóides caracterizam-se pelo excesso de tecido fibroso em uma área de lesão cutânea. As cicatrizes hipertróficas ficam limitadas à ferida original, enquanto os quelóides estendem-se além da área ferida inicialmente (Quadro 56.1). Essas duas complicações são comuns e freqüentemente incomodam muito o paciente, tanto porque as cicatrizes têm aspecto desagradável, quanto porque lembram o traumatismo ou a cirurgia pregressa. As cicatrizes da acne resultam da destruição do colágeno e dos tecidos elásticos subjacentes à inflamação dérmica associada à acne, principalmente em sua forma cística. Essas cicatrizes também são muito comuns e afligem o paciente, tanto por seu aspecto evidente na face, quanto porque lembram que tiveram acne no passado.

A

CICATRIZES HIPERTRÓFICAS E

QUELÓIDES: EXAME FÍSICO

As cicatrizes hipertróficas evidenciam-se por placas lineares firmes e espessas localizadas em uma área anteriormente traumatizada. Inicialmente, essas cicatrizes podem ser eritematosas, mas, com o tempo, geralmente adquirem a mesma cor da pele. Os quelóides são placas fibrosas duras que se estendem além da área lesada com projeções claviformes.

 

SECÃO DOZE: ALTERAÇÕES CUTÂNEAS EXÓGENAS

PDF

264

I

Atlas Colorido de Dermatologia Estética

CAPÍTULO 57 Perfuração da orelha

A perfuração da orelha é realizada para facilitar a utilização de brincos. Quando se assegura que o procedimento seja realizado em um serviço de saúde por um médico, o paciente tem a garantia de que o procedimento é efetuado em condições seguras e controladas.

QUESTÕES ESCLARECEDORAS

FUNDAMENTAIS

• Alergias de contato a metais

• História de quelóides ou cicatrizes hipertróficas

ABORDAGEM

Existem dois métodos comumente utilizados na perfuração: manual ou com a ajuda de uma pistola automática para perfuração da orelha (Fig. 57.1). Antes de realizar qualquer procedimento, é importante ter certeza da posição correta escolhida para a perfuração. A simetria com a orelha contralateral é fundamental para um aspecto cosmético satisfatório. Antes do procedimento, o paciente deve revisar as posições escolhidas utilizando um espelho.

PROCEDIMENTO

• Esterilizar todos os instrumentos.

• Esterilizar e anestesiar o lóbulo da orelha.

• Aplicar pressão lenta, introduzir a agulha de calibre 14 a

 

Detalhes do Produto

Livro Impresso
eBook
Capítulos

Formato
PDF
Criptografado
Habilitada
SKU
BP00000042082
ISBN
9788580550153
Tamanho do arquivo
25 MB
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
Formato
PDF
Criptografado
Habilitada
Impressão
Desabilitada
Cópia
Desabilitada
Vocalização de texto
Não
SKU
Em metadados
ISBN
Em metadados
Tamanho do arquivo
Em metadados