8 capítulos
Medium 9788563308696

SEÇÃO 7 - COMPLICAÇÕES OBSTÉTRICAS

Cunningham, F. Gary Grupo A - AMGH PDF

CAPÍTULO 34

SEÇÃO 7

Hipertensão na gravidez

TERMINOLOGIA E CLASSIFICAÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .706

DIAGNÓSTICO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .706

os problemas sem solução mais significativos e intrigantes em obstetrícia.

INCIDÊNCIA E FATORES DE RISCO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .709

ETIOPATOGENIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .709

FISIOPATOLOGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .714

PREDIÇÃO E PREVENÇÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .725

TRATAMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .728

CONSEQUÊNCIAS A LONGO PRAZO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .747

Os distúrbios hipertensivos complicam 5 a 10% das gestações, formando, em conjunto, um membro da tríade mortal, juntamente com a hemorragia e infecção, que contribui muito para as taxas de morbidade e mortalidade maternas. Com a hipertensão, a pré-eclâmpsia — quer isoladamente, quer superposta à hipertensão crônica — é a mais perigosa. Conforme discutido mais adiante, a hipertensão não proteinúrica de início recente durante a gravidez — denominada hipertensão gestacional — é seguida por sinais e sintomas de pré-eclâmpsia em quase 50% das ocasiões, sendo a pré-eclâmpsia identificada em 3,9% das gestações (Martin e cols., 2009). De forma sistemática, a Organização Mundial da Saúde revê a mortalidade materna em nível mundial (Khan e cols., 2006). Nos países desenvolvidos, 16% das mortes maternas decorrem de distúrbios hipertensivos. Este percentual é maior que os das três outras causas principais: hemorragia — 13%, aborto — 8% e sepse — 2%. Nos EUA, de 1991 a 1997, Berg e colaboradores (2003) reportaram que quase 16% de 3.201 mortes maternas resultaram de complicações da hipertensão relacionada com a gravidez. De maneira importante, Berg e colaboradores (2005) reportaram, mais adiante, que mais da metade destas mortes relacionadas com a hipertensão era passível de prevenção.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308696

SEÇÃO 3 - ANTEPARTO

Cunningham, F. Gary Grupo A - AMGH PDF

CAPÍTULO 7

SEÇÃO 3

Aconselhamento pré-concepcional

BENEFÍCIOS DO ACONSELHAMENTO PRÉ-CONCEPCIONAL . . . . . . . . . .174

BENEFÍCIOS DO ACONSELHAMENTO PRÉ-CONCEPCIONAL

DISTÚRBIOS CLÍNICOS CRÔNICOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .175

DOENÇAS GENÉTICAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .177

CONSELHEIROS PRÉ-CONCEPCIONAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .180

CONSULTA DE ACONSELHAMENTO PRÉ-CONCEPCIONAL . . . . . . . . . . .180

Em 2006, os Centers for Disease Control and Prevention

(CDCs) definiram o cuidado pré-concepcional como “um conjunto de intervenções que visam identificar e modificar riscos biomédicos, comportamentais e sociais para a saúde ou o resultado da gestação de uma mulher através da prevenção e do tratamento”. Além disso, estabeleceu as seguintes metas para melhorar o cuidado pré-concepcional:

1. Melhorar o conhecimento, as atitudes e os comportamentos de homens e mulheres com relação a saúde préconcepção;

2. Garantir que todas as mulheres em idade reprodutiva recebam os serviços de cuidado pré-concepção — como a triagem de risco baseada em evidências, a promoção da saúde e as intervenções — que possibilitarão a elas entrar na gravidez com saúde ótima;

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308696

SEÇÃO 5 - FETO E RECÉM-NASCIDO

Cunningham, F. Gary Grupo A - AMGH PDF

CAPÍTULO 28

SEÇÃO 5

O recém-nascido

INÍCIO DA RESPIRAÇÃO PULMONAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .590

CONDUÇÃO DO NASCIMENTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .590

MÉTODOS USADOS PARA AVALIAR O ESTADO DO RECÉM-NASCIDO . .594

CUIDADOS PREVENTIVOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .598

CUIDADOS ROTINEIROS AO RECÉM-NASCIDO . . . . . . . . . . . . . . . . . . .598

Imediatamente após o nascimento, a sobrevida do recémnascido depende de uma transição imediata e adequada para a respiração pulmonar. Os alvéolos repletos de líquidos devem se expandir com o ar, a perfusão deve ser iniciada assim como a troca entre oxigênio e dióxido de carbono.

INÍCIO DA RESPIRAÇÃO PULMONAR

 Estímulos à respiração pulmonar

O recém-nascido começa a inalar e chorar quase imediatamente após nascer, indicando o início da respiração ativa. Entre os fatores que parecem influenciar a primeira inalação de ar estão:

1. A estimulação física, como manusear o recém-nato durante o nascimento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308696

SEÇÃO 2 - ANATOMIA E FISIOLOGIA DA MÃE E DO FETO

Cunningham, F. Gary Grupo A - AMGH PDF

CAPÍTULO 2

SEÇÃO 2

Anatomia da mãe

PAREDE ANTERIOR DO ABDOME . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .14

ÓRGÃOS REPRODUTORES EXTERNOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .15

ÓRGÃOS REPRODUTORES INTERNOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21

ANATOMIA MUSCULOESQUELÉTICA DA PELVE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .29

O conhecimento sobre a anatomia da pelve e a da parede do abdome inferior femininas é essencial à prática obstétrica. É possível haver variações importantes nas estruturas anatômicas entre as mulheres, sendo este fato particularmente verdadeiro no que se refere aos principais vasos sanguíneos e nervos.

PAREDE ANTERIOR DO ABDOME

A parede anterior do abdome contém as vísceras abdominais, sofre estiramento para acomodar o útero em expansão na gravidez e provê acesso cirúrgico aos órgãos reprodutores internos.

Assim, há necessidade de um conhecimento abrangente sobre sua estrutura disposta em camadas para que seja possível penetrar cirurgicamente a cavidade abdominal.

Ver todos os capítulos
Medium 9788563308696

SEÇÃO 4 - TRABALHO DE PARTO E PARTO

Cunningham, F. Gary Grupo A - AMGH PDF

CAPÍTULO 17

SEÇÃO 4

Trabalho de parto e parto normais

CONDUTA NO TRABALHO DE PARTO E PARTO NORMAIS. . . . . . . . . . .390

 Situação fetal, apresentação, atitude e posição

A orientação do feto em relação à pelve materna é descrita em termos da situação fetal, apresentação, atitude e posição.

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DO TRABALHO DE PARTO . . . . . . . . .405

Situação fetal

MECANISMOS DO TRABALHO DE PARTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .374

CARACTERÍSTICAS DO TRABALHO DE PARTO NORMAL . . . . . . . . . . . .384

O parto é o período que vai do início das contrações uterinas regulares até a expulsão da placenta. O processo pelo qual isto normalmente acontece é chamado trabalho de parto ⎯ um termo que, no contexto obstétrico, comporta várias conotações na língua inglesa.

De acordo com o New Shorter Oxford English Dictionary (1993), o esforço corporal fatigante, intenso e sofrido, principalmente quando doloroso, é característico do trabalho de parto, sendo desta maneira, implicado no processo do parto. Estas conotações parecem, sem exceção, apropriadas para nós e enfatizam a necessidade de que os atendentes assumam uma posição de suporte às necessidades das mulheres em trabalho de parto, principalmente no tocante ao efetivo alívio da dor.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos