329 capítulos
Medium 9788527725132

Capítulo 45 - Sistema Nervoso Autônomo

Campbell, William Wesley Grupo Gen - Guanabara Koogan PDF

504  Seção I  |  Sistemas Nervosos Autônomo e Periférico sistema nervoso autônomo (SNA) controla ­músculos não estriados e glândulas e tem três divisões: simpática (toracolombar), parassimpática (craniossacral) e entérica. As divisões simpática e parassimpática caracterizamse por apresentarem uma cadeia de dois neurônios com dois elementos anatômicos: um neurônio pré-ganglionar (primeira ordem) no sistema nervoso central (SNC), que termina em um gânglio fora do SNC, e um neurônio pós-ganglionar (segunda ordem), que conduz os impulsos até o destino nas vísceras. A

Figura 45.1 mostra uma visão geral da anatomia das divisões simpática e parassimpática. O sistema nervoso entérico está localizado nas paredes do trato gastrintestinal (GI). Além disso, os neurônios de gânglios das raízes dorsais levam impulsos viscerais aferentes originados tanto nas fibras simpáticas quanto nas parassimpáticas. Também há neurônios autônomos em vários níveis do SNC, desde o córtex cerebral até a medula espinal. As funções autônomas estão além do controle voluntário e, em sua maioria, abaixo da consciên­cia.

Ver todos os capítulos
Medium 9788527718295

Parte 5 | Capítulo 6 - A Construção de um Programa de Educação Nutricional para Mulheres Hipertensas

GARCIA, Rosa Wanda Diez GBK PDF

Capítulo

6

A Construção de um Programa de Educação

Nutricional para Mulheres Hipertensas

Giseli Cristina Galati

Rosa Wanda Diez-Garcia

Emília Heráclito Rego

PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO NUTRICIONAL COMO ESTRATÉGIA PARA

PROMOÇÃO DE PRÁTICAS ALIMENTARES SAUDÁVEIS

Atualmente vivenciamos um processo desafiador marcado por mudanças no estilo de vida, crescimento da urbanização, aumento da expectativa de vida e, com isso, fatores de risco de saúde que levam a alterações metabólicas importantes, resultando em um aumento da prevalência de doenças cardiovasculares e outras doenças crônicas como: diabetes melito, hipertensão arterial sistêmica, dislipidemias, obesidade, câncer, entre outras cuja etiologia está relacionada com a alimentação.1,2 Diante desse atual contexto, a promoção de práticas alimentares saudáveis e a prevenção e o controle dos distúrbios nutricionais são propósitos evidenciados na Política Nacional de Alimentação e Nutrição

Ver todos os capítulos
Medium 9788527725132

Capítulo 29 - Volume e Contorno dos Músculos

Campbell, William Wesley Grupo Gen - Guanabara Koogan PDF

Capítulo 29  |  Volume e Contorno dos Músculos  363 pesquisa de indicações de atrofia ou hipertrofia

­muscular é uma parte importante do exame motor.

Normalmente, o desenvolvimento ­muscular varia bastante de uma pessoa para outra, mas alterações substanciais do tamanho ou do formato de músculos ou grupos

­muscula­res, sobretudo quando focais ou assimétricas, podem ser importantes.

A atrofia ­muscular (amiotrofia) causa diminuição do volume ­muscular e geralmente é acompanhada por alterações do formato ou do contorno. Os distúrbios neurológicos causadores de atrofia ­muscular são principalmente aqueles que afetam os seguintes componentes da unidade motora: célula do corno anterior, raiz nervosa, nervo periférico ou ­músculo. Os distúrbios da junção neuro­muscular não causam atrofia muscular. A atrofia também pode decorrer de desuso ou inatividade, imobilização, tenotomia, isquemia muscular, desnutrição, distúrbios endócrinos e envelhecimento normal.

A hipertrofia ­muscular é o aumento do volume dos tecidos

Ver todos os capítulos
Medium 9788527718295

Parte 5 | Capítulo 3 - Programa de Educação Nutricional para Idosos com Constipação Intestinal Funcional

GARCIA, Rosa Wanda Diez GBK PDF

Capítulo

3

Programa de Educação Nutricional para Idosos com Constipação Intestinal Funcional

Márcia Maria Hernandez de Abreu Oliveira Salgueiro

Ana Maria Cervato-Mancuso

A pesquisa intitulada “Intervenção nutricional educativa: promovendo a saúde de idosos com constipação intestinal funcional” foi desenvolvida no Ambulatório de Geriatria do Instituto Central do

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. O estudo foi de intervenção do tipo ensaio clínico aleatorizado, destinado a estudar a comparação de uma variável em dois grupos de pessoas, o grupo controle e o intervenção. Neste capítulo será apresentado o programa educativo planejado e executado para o grupo intervenção.

PARTICIPANTES

Participaram do programa indivíduos com idade igual ou superior a 60 anos com hipótese diagnóstica de constipação intestinal funcional. Na entrevista inicial, a constipação intestinal funcional era confirmada verificando-se a presença das queixas que caracterizam o quadro. Os idosos foram encaminhados pela equipe médica e não apresentavam doenças neurológica, endócrina ou gastrintestinal orgânica que justificassem a constipação intestinal. Dos sujeitos entrevistados inicialmente,

Ver todos os capítulos
Medium 9788527718295

Parte 4 | Capítulo 1 - Comunicação e Encontro de Lógicas no Campo da Saúde e da Doença: Contribuição para uma Nova Diagnose

GARCIA, Rosa Wanda Diez GBK PDF

Capítulo

1

Comunicação e Encontro de Lógicas no Campo da Saúde e da Doença: Contribuição para uma

Nova Diagnose

Fernando Lefevre

Ana Maria Cavalcanti Lefevre

Isabel Maria Teixeira Bicudo Pereira

Rachelle Balbinot

PLANO SIMBÓLICO DAS SOCIEDADES E DIAGNOSE NO CAMPO

DA SAÚDE E DA DOENÇA

A sociedade (toda sociedade) é constituída por um plano simbólico que pode ser configurado como um sistema de crenças ou representações compartilhadas1 que permitem a comunicação ou a troca de sentidos entre seus membros, conferindo-lhe coesão.

A comunicação como sustentáculo das formações sociais pressupõe, portanto, dois tipos de códigos compartilhados: um código linguístico e, a partir dele, um código ideológico, que é o sistema compartilhado de crenças aludido anteriormente.

Os membros de uma formação social determinada costumam falar (aproximadamente) a mesma língua (no caso da não existência de formas dialetais), mas não compartilham necessariamente as mesmas ideias, possuindo, contudo, em comum um determinado nível de compartilhamento que permite que ideias, mesmo divergentes, possam ser trocadas.

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos