164 capítulos
Medium 9788536321318

Capítulo 9 - TRANSTORNOS FACTÍCIOS E SIMULAÇÃO

Landeira-Fernandez, J. Grupo A - Artmed PDF

TRANSTORNOS FACTÍCIOS E SIMULAcãO

160

~

(p. ex., cortando-se com uma lâmina). A síndrome de Münchhausen diferencia-se da hipocondria

(e de outros transtornos somatoformes; ver Capítulo 7) pelo fato de que o paciente com um transtorno factício sabe que está mentindo, enquanto o hipocondríaco realmente acredita estar doente.

Em uma forma especial de síndrome de Münchhausen, denominada Münchhausen por procuração, o indivíduo produz sinais clínicos em outra pessoa, a qual está sob seus cuidados, podendo acontecer em mães ou outras pessoas responsáveis por uma criança. A síndrome caracteriza-se pela invenção ou produção intencional de alterações clínicas na criança, fazendo com que ela seja considerada doente. Mais uma vez, esse comportamento tem como única motivação a obtenção de atenção médica. A síndrome de Münchhausen por procuração é uma forma de abuso infantil e, com frequência, envolve a ocorrência de outras formas de abuso, na ausência de qualquer violência explícita. Paradoxalmente, a pessoa responsável demonstra uma grande preocupação com a saúde da criança, que, com o passar do tempo, pode participar desse processo patológico e, até mesmo, sofrer, ela própria, da síndrome de

Ver todos os capítulos
Medium 9788577805617

10. PUBLICANDO DOCUMENTOS FLASH

Adobe Creative Team Grupo A - Bookman PDF

LIÇÃO 10 343

Publicando Documentos Flash

Teste um documento Flash

Solucionar problemas é uma habilidade que você desenvolve ao longo do tempo, mas é mais fácil identificar a causa do problema se você testar seu filme várias vezes cria o conteúdo. Se testar depois de cada passo, saberá quais alterações foram feitas e, portanto, o que poderia ter dado errado. Um bom lema a lembrar

é “Testar desde o início. Testar sempre.”

Uma maneira rápida de visualizar um filme é escolhendo Control > Test Movie

(Ctrl-Enter/Cmd-Return), como você fez nas lições anteriores. Esse comando cria um arquivo SWF na mesma localização do arquivo FLA para que você possa reproduzir e visualizar o filme; ele não cria o arquivo HTML nem qualquer outro arquivo necessário para reproduzir o filme em um site Web.

Quando achar que completou seu filme ou uma parte dele, pare por alguns minutos para verificar todas as peças estão no lugar e se elas têm o desempenho esperado.

1 Revise o storyboard do projeto, se você tiver um, ou outros documentos que descrevam o propósito e os requisitos do projeto. Se esses documentos não existirem, escreva uma descrição do que você espera ver ao visualizar o filme.

Ver todos os capítulos
Medium 9788577807826

9. GESTÃO OPERACIONAL DO DESIGN

Mozota, Brigitte Borja de Grupo A - Bookman PDF

CAPÍTULO 9

GESTÃO OPERACIONAL DO DESIGN

Os três últimos capítulos referiram-se a diferentes situações de gestão que confrontam gerentes de design e gestores de empresas e ofereceram ferramentas para colocar em prática a gestão do design. Observaremos agora a prática da gestão do design sob o ponto de vista de três níveis de tomada de decisão:

O nível operacional do projeto, ou o primeiro passo para a integração do design

O nível funcional, ou a criação de uma função de design na empresa

O nível estratégico, ou o papel do design para unificar e transformar a visão da empresa

Na prática, a gestão do design controla três áreas:

A administração do valor agregado do design

A administração dos relacionamentos

A administração dos processos

Seu objetivo é construir, em longo prazo, credibilidade e confiança com relação à prática do design.

CRIAÇÃO DE UMA

DEMANDA PARA O

DESIGN

PETER PHILLIPS, 2002

Em primeiro lugar, é importante estar atento às decisões tomadas dentro da organização que pertencem ao domínio do design, mas que estão sob a responsabilidade de pessoas que não são designers.

Ver todos os capítulos
Medium 9788536321318

Capítulo 2 - TRANSTORNOS COGNITIVOS

Landeira-Fernandez, J. Grupo A - Artmed PDF

capítulo 2

TRANSTORNOS

COGNITIVOS

O termo cognição deriva da palavra latina cognitione, que significa conhecer. Representa o conjunto das funções mentais responsáveis pela aquisição, organização, interpretação e armazenamento de informações do mundo externo que possuem algum valor significativo para o indivíduo. São as habilidades cognitivas que nos permitem representar o mundo à nossa volta, prevendo e alterando o curso de eventos futuros. Dentre o grande número de funções cognitivas, destacam-se a consciência, a atenção, a orientação, a sensopercepção, a memória, o pensamento, a inteligência e as funções executivas. A seguir, discutiremos algumas dessas funções cognitivas.

A consciência é, sem dúvida, a mais complexa de todas as funções mentais. A própria palavra consciência é utilizada em nossa língua para expressar, pelo menos, dois processos mentais relativamente distintos. Assim, o termo consciência pode ser empregado para indicar a vivência subjetiva da atividade mental, o dar-se conta das vivências internas (pensamentos, sentimentos, recordações), dos estímulos corporais e do mundo externo (a sensopercepção). Nesse sentido, ela representa a integração de todos os processos psíquicos em determinado momento.

Ver todos os capítulos
Medium 9788582601570

Capítulo 5 - Tipos de vistas

Kubba, Sam A. A. Grupo A - Bookman PDF

capítulo 5

Tipos de vistas

Já vimos que os desenhos são fundamentais para que exista comunicação adequada no setor da construção, por isso saber interpretá-los é indispensável. Este capítulo traz os princípios de projeção ortogonal (ou ortográfica), responsável por mostrar como o objeto é visto de todos os lados. Vamos aprender que uma única vista é quase sempre insuficiente para mostrar todos os detalhes do objeto de forma precisa. Além disso, você entenderá a importância de conhecer os símbolos de projeção e seus significados, assim como as notas, observações e outras informações possíveis. As vistas auxiliares, as diversas projeções e perspectivas também compõem este capítulo.

Objetivos deste capítulo

Comparar desenhos com duas e três vistas e vista única.

Interpretar adequadamente esses desenhos de acordo com as projeções ortogonais.

Identificar os símbolos de projeção.

Reconhecer as diferentes características entre projeções e desenhos.

Definir os princípios da perspectiva.

Kubba_05.indd 65

Ver todos os capítulos

Visualizar todos os capítulos